JOVENS COM SÍNDROME DE DOWN VIVEM DIA DE GARÇOM EM LIMEIRA

O domingo foi dia de trabalho para 10 jovens com síndrome de Down da Associação Amigos Especiais de Limeira (AEL). Eles atuaram como recepcionistas e garçons na hamburgueria Le Pinguê.

A atividade, sugerida pelos proprietários do estabelecimento, abriu a programação da Semana de Conscientização sobre a Síndrome de Down da AEL. “Experiências como essa são oportunidades maravilhosas para nossos jovens conheceram o mercado de trabalho e se encorajarem para assumir responsabilidades. Foi uma imersão incrível”, avaliou Cláudio Ferraz, presidente da AEL.

Ao chegarem, os proprietários da Le Pinguê promoveram uma dinâmica que teve o intuito de despertar o espírito de equipe. Na sequência, aprenderam a como montar os itens em cada mesa, como porta guardanapos, saleiros e temperos. Por fim, receberam dicas de como atender os clientes com atenção e gentileza.

Assim que as portas foram abertas ao público, já de aventais e toucas, os jovens começaram os atendimentos. Sempre com a supervisão de funcionários da Le Pinguê, entregaram cardápios, anotaram pedidos, repassaram para a cozinha e serviram refeições e bebidas. “Ficamos surpresos com a organização e com a agilidade deles”, destacou Débora Belini, proprietária da Le Pinguê.

Os jovens também preparam pedidos para os motoboys entregarem pelo sistema de delivery e se revezaram para conhecer o funcionamento da cozinha. Viram como ficam acondicionados os ingredientes e acompanharam todas as etapas de execução de um pedido, desde a chapa onde os hambúrgueres são fritos, passando pela montagem com todos os itens, até serem embalados para irem para as mesas.

Luísa Schenke, uma das jovens da AEL, ficou encantada com a cozinha. “Nunca imaginei que fosse assim. Todos trabalham com muita rapidez”, surpreendeu-se. A amiga, Ana Nellei de Michielli Meyer, era uma das mais entusiasmada no salão. “Tem que atender com gentileza”, disse com um bloquinho e caneta nas mãos aguardando ser chamada por um cliente.

Ao final do dia de trabalho, todos se reuniram para uma avaliação da experiência. “O que determina a síndrome de Down em um indivíduo é apenas um cromossomo. Hoje, todos os jovens nos mostraram que isso é um mero detalhe. Tiveram um desempenho brilhante”, avaliou Jonathan Pereira, proprietário da hamburgueria, que também anunciou repasse de parte do valor arrecadado durante o dia para a Associação.